Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Página inicial > Notícias > Afinal, o que é Moodle?
Início do conteúdo da página

Afinal, o que é Moodle?

Criado: Terça, 08 de Outubro de 2019, 11h53 | Publicado: Terça, 08 de Outubro de 2019, 11h53 | Última atualização em Terça, 08 de Outubro de 2019, 11h53 | Acessos: 33

O Moodle é um sistema de código aberto para a criação de cursos online. Também conhecida como Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), a plataforma é utilizada por alunos e professores como ferramenta de apoio ao ensino a distância - EAD em mais de 220 países. No Brasil, a solução já foi adotada por universidades como USP (Universidade de São Paulo), UFBA (Universidade Federal da Bahia) e UNB (Universidade de Brasília) para unificar o acesso aos sistemas e serviços das instituições. O IFPA (Instituto Federal do Pará) também adotou a solução para EAD.

Sigla em inglês para Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment, ou seja, Ambiente de Aprendizado Modular Orientado ao Objeto, o Moodle funciona como uma sala de aula online onde professores podem disponibilizar material didático e propor tarefas interativas, como testes e discussões em fóruns. Para os alunos, o ambiente facilita a troca de conhecimento e de arquivos multimídia.

Como funciona o Moodle?

O sistema consiste em um software livre e de código aberto, o que significa que qualquer pessoa ou instituição pode fazer o download do programa e adaptá-lo conforme suas necessidades. Com isso, programadores, designers e educadores de diversos países podem contribuir para o desenvolvimento do produto de forma colaborativa. O Moodle está disponível para os sistemas Linux, Windows e macOS.

Para personalizar o ambiente de aprendizagem, o Moodle oferece aos desenvolvedores uma série de plugins, capazes de adicionar novos recursos ao site. Existem extensões para diferentes propósitos, desde criar avaliações com correção instantânea até gerar certificados personalizados de conclusão de curso e agendar videoconferências. Há, ainda, ferramentas de engajamento: o plugin Level Up!, por exemplo, permite aos alunos subir de nível e oferece recompensas conforme a evolução do desempenho.

Embora o Moodle esteja disponível para download por qualquer usuário, é necessário ter conhecimentos em programação, em especial nas linguagens de código PHP e MySQL, para criar o espaço virtual de ensino próprio de acordo com suas necessidades.

Como usar o Moodle?

O primeiro passo para usar o Moodle é ter um cadastro na instituição de ensino em questão. Na maior parte dos casos, a plataforma é usada como um sistema de apoio às disciplinas da universidade ou centro educacional, então, é preciso ser um aluno matriculado na instituição para ter acesso aos materiais. Alguns sites, porém, oferecem cursos abertos a visitantes — é o caso do AVA da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), por exemplo.

Vale ressaltar que, no Brasil, o Moodle é usado não apenas em universidades públicas e privadas, mas também em escolas de idiomas e centros de treinamento corporativo.

Como oferece suporte à educação a distância, o Moodle tem entre seus principais recursos o upload de videoaulas, forma didática de ensino que se aproxima mais da experiência em uma sala de aula presencial. No entanto, o custo para a produção dos vídeos faz com que poucas instituições de ensino invistam nessa ferramenta. O mais comum é que o ambiente virtual de aprendizagem funcione a partir de fóruns e chats.

Nos fóruns, os professores podem publicar textos-base e propor questões para discussão, aprofundando o conteúdo abordado nos materiais didáticos. Já as salas de bate-papo são o espaço ideal para tirar dúvidas com os docentes. É possível agendar horários específicos para a sessão.

O Moodle permite, ainda, que o professor determine tarefas para o aluno e disponibilize arquivos para download. Vale ressaltar que, como a plataforma é inteiramente personalizável, esses recursos podem variar conforme a instituição de ensino.

Texto: Ana Letícia Loubak, para o site TechTudo. Publicado originalmente em 02/10/2019, neste link.

registrado em:
Fim do conteúdo da página
-->