Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página

Filmes que futuros profissionais de tecnologia deveriam assistir

Criado: Terça, 19 de Dezembro de 2017, 12h29 | Publicado: Quarta, 20 de Dezembro de 2017, 10h02 | Última atualização em Terça, 19 de Dezembro de 2017, 12h32 | Acessos: 943

A rede social (2010), de David Fincher

Ficção baseada em uma história real. Em uma noite de outono em 2003, Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg), analista de sistemas graduado em Harvard, se senta em seu computador e começa a trabalhar em uma nova ideia. Apenas seis anos e 500 milhões de amigos mais tarde, Zuckerberg se torna o mais jovem bilionário da história com o sucesso da rede social Facebook. O sucesso, no entanto, o leva a complicações em sua vida social e profissional.

Vale do Silício: a história dos revolucionários (2015), de Paul Crowder

Conheça oito homens que mudaram o mundo contemporâneo. Que se emanciparam do físico e prêmio Nobel William Shockley para fundar várias companhias, entre elas a gigante Intel. Eles próprios levantaram o Vale do Silício, na Califórnia, praticamente do nada. Muitas vezes os revolucionários são considerados uma sorte de arruaceiros, contudo esses oito eram o polo oposto: discretamente brilhantes, porém valentemente inovadores. Com um inovador estilo visual, os autênticos revolucionários são uma viagem trepidante e apaixonada ao longo de uma etapa da história que poucos conhecem mas que a todos, no entanto, afetou. Disponível no Youtube! (https://www.youtube.com/watch?v=OvceOWrmSeI)

Eu, robô (2004), de Alex Proyas

Baseado na obra homônima de Isaac Asimov. Em 2035, a existência de robôs é algo corriqueiro, sendo usados constantemente como empregados e assistentes dos humanos. Os robôs possuem um código de programação chamado Lei dos Robóticos, que impede que façam mal a um ser humano. Esta lei parece ter sido quebrada quando o Dr. Miles aparece morto e o principal suspeito de ter cometido o crime é justamente o robô Sonny. Caso Sonny realmente seja o culpado, a possibilidade dos robôs terem encontrado um meio de quebrarem a Lei dos Robóticos pode permitir que eles dominem o planeta, já que nada mais poderia impedi-los de subjugar os seres humanos. Para investigar o caso, é chamado o detetive Del Spooner (Will Smith) que, com a ajuda da Dra. Susan Calvin (Bridget Monayhan), precisa desvendar o que realmente aconteceu.

Jogo da imitação (2015), de Morten Tyldum

Durante a Segunda Guerra Mundial, o governo britânico monta uma equipe que tem por objetivo quebrar o Enigma, o famoso código que os alemães usam para enviar mensagens aos submarinos. Um de seus integrantes é Alan Turing (Benedict Cumberbatch), um matemático de 27 anos estritamente lógico e focado no trabalho, que tem problemas de relacionamento com praticamente todos à sua volta. Não demora muito para que Turing, apesar de sua intransigência, lidere a equipe. Seu grande projeto é construir uma máquina que permita analisar todas as possibilidades de codificação do Enigma em apenas 18 horas, de forma que os ingleses conheçam as ordens enviadas antes que elas sejam executadas. Entretanto, para que o projeto dê certo, Turing terá que aprender a trabalhar em equipe e tem Joan Clarke (Keira Knightley) como sua grande incentivadora.

Nerve: um jogo sem regras (2016), de Ariel Schulman e Henry Joost

A tímida Vee DeMarco (Emma Roberts) é uma garota comum, prestes a sair do ensino médio e sonhando em ir para a faculdade. Após uma discussão com sua até então amiga Sydney (Emily Meade), ela resolve provar que tem atitude e decide se inscrever no Nerve, um jogo online onde as pessoas precisam executar tarefas ordenadas pelos próprios participantes. O Nerve é dividido entre observadores e jogadores, sendo que os primeiros decidem as tarefas a serem realizadas e os demais as executam (ou não). Logo em seu primeiro desafio, Vee conhece Ian (Dave Franco), um jogador de passado obscuro. Juntos, eles logo caem nas graças dos observadores, que passam a enviar cada vez mais tarefas para o casal em potencial.

O homem do futuro (2011), de Claudio Torres

Nessa comédia nacional, João/Zero (Wagner Moura) é um cientista genial, mas infeliz porque há 20 anos foi humilhado publicamente durante uma festa e perdeu Helena (Alinne Moraes), uma antiga e eterna paixão. Certo dia, uma experiência com um de seus inventos permite que ele faça uma viagem no tempo, retornando para aquela época e podendo interferir no seu destino. Mas quando ele retorna, descobre que sua vida mudou totalmente e agora precisa encontrar um jeito de mudar essa história, nem que para isso tenha que voltar novamente ao passado. Será que ele conseguirá acertar as coisas?

*Sinopses retiradas do site AdoroCinema. (http://www.adorocinema.com)

registrado em:
Fim do conteúdo da página
-->