Ir direto para menu de acessibilidade.
Brasil – Governo Federal | Acesso à informação
Início do conteúdo da página

Recesso? Férias? Que tal ler um pouco?

Criado: Terça, 19 de Dezembro de 2017, 12h26 | Publicado: Quarta, 20 de Dezembro de 2017, 10h02 | Última atualização em Terça, 19 de Dezembro de 2017, 12h26 | Acessos: 457

1984, de George Orwell

Publicada originalmente em 1949, a ficção científica “1984” é um dos romances mais influentes do século XX, um inquestionável clássico moderno. A narrativa apresenta Winston, que vive aprisionado na engrenagem totalitária de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas cada qual vive sozinho. Onde também ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão – isso mesmo! É daqui a inspiração para o programa “Big Brother”. A obra de George Orwell ainda se impõe como uma reflexão ficcional sobre os excessos de qualquer forma de poder incontestado, seja onde for.

Admirável mundo novo, de Aldous Huxley

Uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no romance de Aldous Huxley. Entretanto, o moderno clássico de “Admirável mundo novo” não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos.

Steve Jobs – a biografia, de Walter Isaacson

O livro é baseado em entrevistas com Steve Jobs e com mais de cem familiares, amigos, colegas, adversários e concorrentes. A obra narra a vida atribulada do empresário extremamente inventivo e de personalidade forte e polêmica, cuja paixão pela perfeição e cuja energia indomável revolucionaram seis grandes indústrias: a computação pessoal, o cinema de animação, a música, a telefonia celular, a computação em tablet e a edição digital. Sua história é ao mesmo tempo uma lição e uma advertência, e ilustra a capacidade de inovação e de liderança, o caráter e os valores de um homem que ajudou a construir o futuro.

O mundo de Sofia, de Jostein Gaarder

Às vésperas de seu aniversário de quinze anos, Sofia Amundsen começa a receber bilhetes e cartões-postais bastante estranhos. Os bilhetes são anônimos e perguntam a Sofia quem é ela e de onde vem o mundo. Os postais são enviados do Líbano, por um major desconhecido, para uma certa Hilde Moller Knag, garota a quem Sofia também não conhece. O mistério dos bilhetes e dos postais é o ponto de partida deste romance fascinante, no qual, de capítulo em capítulo, de “lição” em “lição”, o leitor é convidado a percorrer toda a história da filosofia ocidental, ao mesmo tempo que se vê envolvido por um suspense que toma um rumo surpreendente.

Comédias para se ler na escola, de Luis Fernando Veríssimo

A obra é uma antologia de crônicas de Luís Fernando Veríssimo organizada por Ana Maria Machado, leitora de carteirinha do autor. Ela releu textos do autor e preparou uma seleção de crônicas capaz de despertar nos estudantes o prazer e a paixão pela leitura. O resultado pode ser conferido nas 35 narrativas curtas que trazem o universo das histórias e personagens de Veríssimo. O livro é cheio de situações inusitadas e escrito em uma linguagem com a qual até os menos adeptos da literatura se identificam. O leitor é convidado a viajar entre as situações mais esquisitas no dia-a-dia de uma pessoa comum. As personagens fictícias deixam aqueles que leem com vontade de perguntar: por que essas coisas não acontecem comigo?

O alienista, de Machado de Assis

Clássico literário da literatura brasileira. Qual é o limite entre a loucura e a sanidade? Até onde a ciência é capaz de desvendar a mente humana? Essas são as questões centrais desta obra publicada originalmente por Machado de Assis como folhetim na revista A Estação. O conto apresenta um estudioso ilustrado que, para aprender mais sobre a psiquiatria, convence a cidade de Itaguaí a fundar um hospício. Logo a instituição fica repleta de lunáticos locais e das vilas vizinhas. Um livro divertido, que traz o melhor da ironia machadiana.

Se quiser ler esse e outros contos de Machado de Assis, a obra do autor está disponibilizada online gratuitamente pelo site Domínio Público. Clique aqui e leia!

registrado em:
Fim do conteúdo da página
-->